segunda-feira, 20 de julho de 2015

Dos seus olhos

muito omito
o grito
oriundo
dos mistérios do mundo,
persigo o motivo oculto
no vulto,
invisto no que
eu me iludo.

e porque eu li no seu cisco
o risco
do zero ou do gozo triste,
eu fecho, reservo,
remoto do sentido,
um segredo:

eu te-mo!

Um comentário: